quarta-feira, 25 de março de 2015

anos, e ânus, tric-tric

ilustrados

para sempre fica. HH


(...)Durante a primavera inteira aprendo
os trevos, a água sobrenatural, o leve e abstracto
correr do espaço —
e penso que vou dizer algo cheio de razão,
mas quando a sombra cai da curva sôfrega
dos meus lábios, sinto que me faltam
um girassol, uma pedra, uma ave — qualquer
coisa extraordinária.
Porque não sei como dizer-te sem milagres
que dentro de mim é o sol, o fruto,
a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
o amor,
que te procuram.

sexta-feira, 20 de março de 2015

segunda-feira, 9 de março de 2015

Balanço do branco na fotografia


Falar do balanço do branco na fotografia é pensar em um mundo tão vasto quanto a existência e nos paradigmas que, mudando, chegaram à nossa era – a era da fotografia digital que, indubitável e irreversivelmente ampliou o domínio da fotografia.

Nas fotografias andamos à procura da emoção e da animosidade. Curiosamente, há uma trilogia imprescindível nas fotografias desde sempre. Há o assunto, há o interessado no assunto e depois os olhos sobre a mistura do assunto com o interesse: uma significância repleta de branco. E de preto. Bem doseados.

A fotografia nasceu a preto e branco, não esqueçamos, e terá sido, neste contexto de mudança que se aperfeiçoaram técnicas e tecnologias que minimizaram custos, reduziram etapas, aceleraram processos e facilitaram tanto a manipulação como o armazenamento e a reconstrução das imagens. Tudo envolto em um silêncio que fala, que conta, que comunica e que estabelece a ponte da memória com a emoção.

Preto sobre branco – assim tudo começou antes das tonalidades actuais que nos oferecem as imagens coloridas da realidade. Mas terá a fotografia colorida o mesmo alcance dinâmico do que as pioneiras a preto e branco?

Balanço do branco na fotografia, uma questão de caça aos detalhes

Uma câmara fotográfica, todos o sabemos de uma forma mais ou menos leiga, capta uma faixa de luminância que mais não é do que o tal alcance dinâmico. O ideal será, pois, agarrar os detalhes e as subtilezas do ambiente que se pretende captar doseando o preto e o branco. Acabamos, mesmo agora, caso não tenha dado por isso, de dar a definição de uma boa câmara fotográfica e também do que será tirar uma boa fotografia…

Tudo se resume, bem visto, à utilização da luz e da sombra – uma espécie de filigrana – que se reflecte, pelo olhar, nos olhos. E independentemente da tecnologia utilizada quer nas mais recentes fotografias coloridas, quer nas tradicionais e apaixonantes a preto e branco será o alcance dinâmico que permite criar – e recriar – os mais artísticos efeitos estéticos que passam, agora já não temos dúvidas, pelo balanço também do branco na fotografia. Porque o branco faz toda a diferença.

Uma dose certa de branco na memória: não, não há paradoxo

São as fotografias que tantas vezes nos aquecem a memória – trazem-nos tanto os presentes como os ausentes. Com as fotografias perpetuamos instantes sempre com a dose certa de branco, e de preto, para que não escapem nem os detalhes nem a proximidade que queremos manter e conservar.


Há uma espécie de prolongamento da vida na imagem que queremos ver a ficar. Sublimada. E a imagem que fica, a memória, liga o presente ao passado e ao futuro. Nada fica em branco quando o balanço do branco na fotografia é o ideal: não há paradoxo, portanto, naquele salto que é o momento em que a realidade é captada e o presente de contemplação da imagem, aquela maravilha – espécie de milagre - de unir o antes com o agora e o depois com a dose certa de prazer. E de branco.


Bela Paisagem de Branco Caiada: Expedições ao Árctico

Bela Paisagem de Branco Caiada: Expedições ao Árctico