sexta-feira, 28 de novembro de 2014


o que é feito dos repolhos de antes, que saudades!, aqueles densos que se punham a saltear no tacho com azeite e alho e pimenta e não sumiam? agora são ocos, vou a ver e ficam no fundo do tacho. um repolho inteirinho mal cabe na cova de um dente. estou a exagerar, está bem, cabe na cova mas não cabe em um prato bem cheio sem acompanhamento de hidratos e carne ou peixe. anda tudo marado, é o que é, até o repolho. lembrei-me, de repente, assim: as hortas andam por um fio e no repolho não me fio.

(deixa-me mas é estar calada que com a má sorte que tenho ainda me começam a fazer esperas à porta de casa com sacholas e baldes de estrume e - pior ainda - com unhas cheias de lodo a tocarem-me na pele.)
achei piada ao soldado postiço pendurado na avó: em em vez de falar português, fala googlês.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014


Contabilidade organizada tem exigências legais | Notícias

Contabilidade organizada tem exigências legais | Notícias

Serviços contabilidade em Almada atentos a novo código

Serviços contabilidade em Almada atentos a novo código

Prevenir e Minimizar a Humidade nas Paredes do Inverno

Prevenir e Minimizar a Humidade nas Paredes do Inverno
tive mesmo de parar para vir dizer isto. é cravanços em todo o lado agora? para-se o carro nos semáforos e vêm com ajax limpar os vidros mesmo que não tenham cagadelas; estaciona-se a viatura por dois minutos e pedem-nos um euro para coçarem a micose do vício; pega-se em um bombo e pimba, os escuteiros tocam às portas ao domingo como se a inventarem um santo qualquer; o Paulo Querido aqui há uns meses andou a cravar o pessoal para publicar notícias sem se dignar, sequer, a responder às questões que lhe coloquei como se eu fosse acéfala. e agora a wikipédia anda a cravar, pelo menos, pelo menos note-se, €3 para quem a consulta? que é isto? que cravanço digital é este agora? puta que pariu os moinantes deste mundo. não percebo. só eu borro-me toda até ter mesmo de pedir alguma coisa a alguém.

terça-feira, 25 de novembro de 2014


pilosidades, Dali, carnaval
música e carnaval
peruca a destapar preconceitos
tanto se especula, tanto se diz e nada se sabe. do filme que se ouve, consta-se o pior, prende-se o bandido, lança-se a dúvida e instala-se o medo. e se é verdade? porque pode ser verdade, quero tanto que não seja, tudo o que acreditei, as esperanças que plantei. mas pode ser verdade. e neste momento sinto-me tal e qual como quando vou ao ginecologista, entra uma mão estranha e mexe e depois despe aqui e apalpa acolá, desconforto total, vergonha completa, vontade de fugir, apressar mentalmente o tempo para que outro tempo chegue - o tempo da tranquilidade. neste caso, o tempo da verdade vai ter de chegar - seja uma verdade boa ou má, uma verdade que me destroce ou me encha de orgulho; uma verdade que me dilacere o castelo conjunto e que deixe ficar só o meu, sempre só o meu, mais uma vez só o meu.

estou em dissonância cognitiva: aquilo que eu quero muito não se coaduna com o que está acontecer e em grande parte porque eu nem sequer consigo saber o que está a acontecer.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014


adoro a minha impressora, ai! como me diverte! quando me diz, amiúde, com aquela voz feminina altiva e com sotaque brasileiro: carregue seu alimentador automático; o seu tinteiro está no final, derrete-me de riso. às vezes até repito a operação só para ouvi-la e rir-me toda com ela. é uma boa amiga. faz-me rir e tem sempre presente uma boa frase nas horas de maior dificuldade.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

está bem, há conversas em que não nos livramos que nos chamem de insensíveis e de obscenos. mas que interessa isso se sabemos que dizemos a verdade ao mesmo tempo que isso nos diverte precisamente por ser verdade? a parte positiva, bem positiva, aliás, de chegarmos à idade adulta sem um dos pais é a de só termos de cuidar de um na hora da doença. é ou não é? e a parte mais do que positiva, mais uma, de não ser casada é a de não ter de cuidar dos sogros na hora da doença.
ora já são menos três para aviar de enfermidade. e se isto não dá vontade de rir, uma risota estranha que nem é mau sangue nem mete mel, vou ali e já venho.



também tens coração de pijama?


quarta-feira, 19 de novembro de 2014


mas que coisa piolhosa é aquela que agora pegou no FB de se ofertarem pequenos filmes(?), uma receita igual e reles, como prova de amor e de amizade? é que se alguém ousasse fazer-me uma merda daquelas, desconfio que só tinha vontade de dizer: um sumo com um saco inteirinho de farinha de linhaça e desejar muitos rolos de papel higiénico à mão. que carago de foleirice.

Formação para desempregados: Aprender, Fazer, Resolver

Formação para desempregados: Aprender, Fazer, Resolver

Empresas de contabilidade imprescindíveis nos negócios

Empresas de contabilidade imprescindíveis nos negócios
como dizer, como abreviar, como ser eficaz: tem inteligências que me emocionam profundamente e, por isso, me apaixonam.

ora aí está. contrariamente ao que por aí corre, a paixão nasce das profundezas.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

pois
ain't no money
conceito miserável de adrenalina
dou imenso valor aos questionários que os hospitais enviam, após as intervenções, para efeitos de qualidade - de outra forma, como melhorar? mas depois, no fim, lá vem a parte da assinatura. não tem mal algum, obviamente, mas podiam ter o cuidado de não dizer que se destina apenas para efeitos de qualidade. o que interessa o nome do meu pai ou do zé do pipo para a qualidade dos serviços e dos equipamentos? acaso vão melhorá-los para que a intervenção deles, a seguinte, seja ainda com mais sucesso - isenta de falhas e de não conformidades? será, isto, verdadeiro falhanço, uma falha na detecção de falhas.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

riso, muito riso, por ser uma situação atípica. estão os dois reformados e ela manda e muito: tem uma voz grossa e bastante sonante que sabe ordenar. ele não fala, ou quando o faz é baixinho. e, de vez em quando, a única resposta de vem dela é um cala-te. o homem passa o dia a estender e a apanhar roupa, a varrer o pátio e a fazer recados - pelo menos todas as partes do dia, todas juntas, umas cinco, em que consigo apreciar. e rir, rir para não chorar. confesso que me causa imenso desconforto - tanto a autoridade como a subserviência. a minha vontade é a de pendurá-los aos dois na corda. e ao contrário, até ficarem roxinhos.
nunca quis que ela tivesse bebés pela simples razão de ficar excluída a hipótese de não ficar com os seus tesourinhos todos. isto por um lado. por outro, também nunca quis castrá-la por me recusar a querer tirar-lhe vida, deixá-la seca e apagada - sem aquela alegria tão contagiante. e estas decisões, pode não parecer, estão em perfeita harmonia com o que também ela quer, conversamos pelo olhar. a prova disso foi ainda agora de manhã cedo. ele a rondá-la, anda sempre, e hoje ousou meter-lhe a pata em cima para a montar. qual não é o meu espanto, nunca a tinha visto assim, quando vejo uma valquíria em grito de valquiranga, completamente passada, aguerrida e a espantar o cão-gajo que ousou tocar-lhe sem que ela consentisse. a minha alegria foi tanta que, ao pequeno almoço, teve direito a mais um rolinho extra de fiambre e a lamber três vezes a minha colher de iogurte natural com sésamo.
viva a valquíria valente e vonita!

domingo, 16 de novembro de 2014


impressionante luz impressionista
coisa boa: fiquei a conhecer, de uma só vez, o Davide Pinheiro, o Mesa de Mistura, e o Portugal três ponto zero. fixe.



jantar com um casal de amigos pode ser o mesmo que jantar com um par de sósias. reparar que fazem as mesmas actividades, gostam das mesmas coisas, usam as mesmas expressões, ouvem a mesma música e até se riem das mesmas coisas. sempre em conversa a quatro - com ele, com ela, com ambos e principalmente comigo mesma -, apercebo-me nitidamente que só um deles está apaixonado pelo outro já que um deles está apenas apaixonado por si e pela ideia de ter o outro apaixonado por si - e daí aquela relação ridícula que mais parece um espelho. Ao mesmo tempo ela é a mamã e ele o bebé com o paradoxo de ser o bebé o imitável. e depois, como pode ela querer ficar a ser uma mamã apaixonada por um bebé que sente que não é apaixonado por si? sim, porque na conjugalidade tem de haver amor com paixão ou mais vale a orfandade, já que o amor e a paixão não são de aviário. e isso sente-se, não há hipótese alguma de ela não o sentir por mais até que ele finja.

vim para casa a pensar para que raios querem as pessoas relações conjugais assim; em que ponto, ao não existir individualidade, se convencem que se sentem felizes e até que ponto consideram que o amor e o prazer se fazem de imitações e de subserviências e de enganos e de mentiras. conclusão: quanto mais relações conheço mais concluo que o motivo por que as pessoas se juntam é tão simples como o dos intestinos que está para a sanita.

sábado, 15 de novembro de 2014

e em vez de ficar preocupada, senti-me - e sinto - estupidamente orgulhosa porque me disse: ei lá, nunca vi uns ovários XXL como os teus nem com uma forma tão fora do comum! vamos estudá-los.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

porque te decides a correr, chuva, mal eu meto um pé na rua? será emoção, certamente, que tristeza não faz correr nem gente e a chuva é pinga de mim.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

sentimo-nos felizes quando nos compreendem. durante o exame: porque o sexo é apenas um grão de areia perante a praia que é a sexualidade, disse o médico. que imagem tão linda, declarei, com o meu esgar de contentamento. e, em risos, rematei: o sexo tântrico pode durar quatro horas, pois claro, já que deve incluir pasto, conversa, brincadeira, muito riso e coito. certo? o sorriso agora vinha do outro lado, um sorriso de uma figura sábia quase a roçar a terceira idade. é isso mesmo. isso que disse é coisa rara, mas também certa. sabe que há estudos em estudo que pretendem confirmar que o excesso de relações sexuais podem ser fonte de doença. mas em lado algum, digam o que disserem, está provado ou por provar que a ausência de sexo - e não de sexualidade - traz enfermidade.
há exames que podiam durar um dia inteiro.

sempre que eu digo, amiúde, isso não dava para mim - caem-me em cima. é como se saber exactamente o que não se quer incomodasse. e incomoda.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Empresas de contabilidade: Big data, melhor desempenho

Empresas de contabilidade: Big data, melhor desempenho

Formação para desempregados apoiada pelo Portugal 2020

Formação para desempregados apoiada pelo Portugal 2020
comunicar com o mundo é nunca saber, duvidar, onde vai dar - mas sempre com a certeza de que demos.

Videntes de Fátima: Voltas de Alegria Musical no Túmulo

Videntes de Fátima: Voltas de Alegria Musical no Túmulo

Taxa de Emprego em Portugal com Números OCDE por Dentro

Taxa de Emprego em Portugal com Números OCDE por Dentro

Angola, de Novo o Maior Produtor de Petróleo de Africa

Angola, de Novo o Maior Produtor de Petróleo de Africa

Azeite em Escala de Intensidades de Sabor para um Nicho

Azeite em Escala de Intensidades de Sabor para um Nicho

Álcool por Droga, a Escolha nos Acidentes de Viação

Álcool por Droga, a Escolha nos Acidentes de Viação

Falta Saneamento Básico e Sobra Malária: Triste Angola

Falta Saneamento Básico e Sobra Malária: Triste Angola

Casais do Mesmo Sexo nos EUA Têm Motivos para Celebrar

Casais do Mesmo Sexo nos EUA Têm Motivos para Celebrar

Conservas de Peixe, O Pitéu da Primeira Guerra Mundial

Conservas de Peixe, O Pitéu da Primeira Guerra Mundial

Estar Preso no Trânsito Gera Boas Ideias em Concurso

Estar Preso no Trânsito Gera Boas Ideias em Concurso

Cura à Vista para Diabetes do tipo 1: Estudo em Curso

Cura à Vista para Diabetes do tipo 1: Estudo em Curso

Miss Idosa, a Representação da Importância da 3ª Idade

Miss Idosa, a Representação da Importância da 3ª Idade

Corte na Educação, Mais Um Golpe Baixo do (Des)Governo

Corte na Educação, Mais Um Golpe Baixo do (Des)Governo

Limites à Pesca da Sardinha Por Quem Não Pesca de Pesca

Limites à Pesca da Sardinha Por Quem Não Pesca de Pesca

Autoria do Google Fracassou, Verdade. E agora, como é?

Autoria do Google Fracassou, Verdade. E agora, como é?

Orçamento do Estado para 2015, Empresas e IRC em Pousio

Orçamento do Estado para 2015, Empresas e IRC em Pousio

terça-feira, 11 de novembro de 2014

antigamente eu acho que morria um pouco sempre que, todos os anos, em um dia certo, a minha mãe - por frequência acumulada de anos - celebrava mais um aniversário de morte. agora não. o dia não passa despercebido mas já não é triste. aprendi desde muito cedo a viver sem ela e nem sequer sei como seria se ela tivesse ficado. mas como não ficou, é estranho pensar em um presente de ausência que não faz falta - a falta remete-me para uma hipótese e, por isso, para uma ausência também.

é mais ou menos assim, uma brisa fininha e tranquila

modernidade por um fio

há, agora, ou já havia antes e agora é moda, umas correntinhas de colocar no pescoço com o nome das mulheres bem esticado. será uma forma de andar, pois claro, nas bocas do mundo através da personalização do cumprimento. a Vânia vai à padaria, que nem sequer é a habitual, e o padeiro diz: bom dia Vânia! depois entra no autocarro e mesmo antes de mostrar o passe já está o motorista a dizer: bom dia Vânia!. depois anda na rua e os assediadores homicidas da Fernanda Câncio, aqueles que dizem olá coisa linda, já podem substituir a coisa por Vânia: olá Vânia linda!



ora a coisa ficando mais intimista já parecerá coisa de artista. é que senão, daqui a nada até a coisa mais linda que ele viu passar em Ipanema vai ser motivo de crónica de cortar à faca as erecções a favor de mulheres anónimas tantas décadas depois.

sábado, 8 de novembro de 2014

surrealismo do real

durante uma intervenção da NOS para alteração do serviço:

ele - não posso configurar, não tenho autorização, uma vez fiz isso e tive de pagar a mensalidade
eu - mas então eu pego no comando, o senhor diz-me e faço eu. mas não sai daqui sem configurar
ele - pode ser
eu - então qual é a diferença?
ele - é que eu não tenho autorização
ele - e vives aqui sozinha?
eu - não
ele - então o teu marido não está?
eu - também não
ele - não és casada?
eu - não
ele - risos
eu - está a rir-se do quê?
ele - mas tens irmãos?
eu - tenho
ele - e o cão, tens há muito tempo?
eu - é uma cadela
ele, eu tenho mulher e um filho de quinze anos
eu - pois
ele - de sessenta passou para cento e vinte quilos com a doença
eu - tem de ajudá-la então
(passou entretanto uma hora desde que chegou)
eu - então qual é o problema?
ele - vai ficar sem telefone dois dias
eu - porquê?
ele - há uma falha
ele - e então dizem que o leite faz mal?
eu - pois
ele - e sabes porquê?
eu - só sei que os mamíferos adultos não precisam dele para nada
ele - então não bebes leite?
eu - quando me apetece
ele - estou a mandar cv's para Moçambique, não espero nada deste país. mas depois fico por lá, no meio das pretas, aquilo nem é bem mulheres mas não vou ficar a seco, percebes? faço outra família e mando dinheiro
eu - e isso demora muito?
ele - vou aproveitar para ver o euromilhões, assim se me sair já não vou para casa
eu, e veja também a internet se já funciona
ele - está tudo bem, assina aqui
(duas horas depois de ele ter chegado e depois de ter saído)
NOS - estamos a ligar -lhe para saber se está tudo bem
eu - não, o técnico foi embora e entretanto não tenho ligação à internet
NOS - vamos ligar-lhe para ir aí novamente
(meia hora depois)
eleoutro - oi, o meu colega pediu para eu vir cá
eu - é que a internet não funciona
ele - vou mudar o equipamento. mas se não der, o problema é do seu computador
eu - como? então se deu antes do seu colega ir embora como é que pode ser do meu computador?
(duas horas depois)
ele - eu estou fazendo tudo para ajudar mas você vai ter de tirar o vista, esse só dá problema e é por isso que não tem rede
eu - como? deve estar a brincar comigo
ele - mas eu vou ver melhor
ele - entretanto acede pelo telemóvel ao FB, ouvem-se as notificações, vê um vídeo de putaria e faz duas chamadas - ambas sem o efeito desejado: oi querida, sim vim quebrar um pepino de um colega mas depois de sair daqui posso passar aí.
(quatro horas depois de ter chegado)
ele - olha, moça, vou-lhe deixar o cabo de rede porque só assim é que dá
eu - o senhor vai é desaparecer daqui agora que eu estou mesmo cansada e já sem paciência
ele - eu vim te fazer um favor, cacete!
eu - o senhor veio fazer um favor ao seu colega. mas agora vai-me fazer um favor a mim e vai embora daqui que eu depois entendo-me com a NOS. já não posso ser obrigada a vê-lo nem ouvi-lo nem cheirá-lo
ele - tem de mudar de computador, trocar o sistema operativo
eu - é que nem pense. saia por favor

e lá me deixou o cabo de rede com o tamanho de uma tringalha de boi que mal chega ao sofá quanto mais à secretária. antes de dormir pensava ardentemente em fazer duas coisas no dia seguinte: ligar à NOS e desinfectar a casa para eliminar os resquícios das duas carraças de aspecto e conversa pouco asseada.



quinta-feira, 6 de novembro de 2014

quando o roto dança com o esfarrapado


animosidades, imaginação e outros futebóis


percebo pívias de futebol, reconheço, maradona, mas relações e imaginações inter e intrapessoais é comigo: ora falei com virgílio ferreira e asseguro que no desporto, assim como no carnaval, é quando as máscaras caem para os ânimos mais íntimos. estaremos de acordo? não creio. caem, caríssimo, quando se trata de ogres primitivos que usam máscaras em todos os outros momentos da vida. e só caem porque nunca sem elas andaram. não sei se percebeste mas a ovação é que é uma bênção, caralhos tanto para a educação como para a neurose do ping-pong, retrato fiel do que se passa quando os participantes não estão no campo com holofotes apontados.
porque falar de criaturas verdinhas  travessas que andam em guerra, e por isso em glória, com os gnomos é lero-lero de quem só aquece um pratinho de sopa ao invés de comer bacalhau com todos.  é que os goblins assumem-se como sendo portadores de uma força muito grande – uma espécie de seres selvagens com inteligência muito limitada que vivem em cavernas ou em pequenas cabanas construídas com paus e peles de animais: eis que assim é que temos festa e animosidade!
vamos lembrar a primeira guerra mundial que levou os homens e deixou ficar as mulheres – para ocuparem o lugar dos homens, pois claro. havia muito que fazer em todos os sectores de actividade e estava na altura de as mulheres arregaçarem as mangas, principalmente as mais instruídas que, por isso mesmo, tiveram mais facilidade em aceitar tamanha mudança social: começava assim uma vaga de feminismo onde as mulheres descobriam um mundo novo de liberdades e de oportunidades. oopss: esqueceram-se do espírito desportivo dos ogres primitivos. porque se não se tivessem esquecido estariam, a esta altura, a chafurdar – em camisas de noite sexys e transparentes – na imaginação molhada de lama do maradona – e a serem abençoadas, por aturar gajos que se fodem nos dentes, enquanto fazem o jantar.
e depois há os corsos e as pilhagens que fazem parte do mundo desportivo, tamanho legado deixado por manuel passanha para que o desporto actual seja mesmo uma bênção. fazer reviver os piratas é preciso. acrescentemos-lhes, aos piratas, chapéus tricórnios e ganchos dentro do campo, carago!
insultemos, pois, os príncipes que resgatam a branca de neve em representação da procura pela perfeição e a completude do desporto e dê-se, c’um caralho, destaque e primazia à bruxa má, que é rainha e o simbolismo do lado lunar do ser humano: a maldade e a frustração que tantas vezes nos fere a nós mesmos em uma espécie de boicote – assim como a vaidade e a competição a que o ser humano se submete com os outros. e quando se olha o espelho o que vê? vê-se simplesmente a si. exalte-se a inteligência distorcida dos ogres primatas, cáspite!
continua, caro maradona, a tratar o zorro valupi como um fora da lei, sagaz e rápido como uma raposa à espanhola, que se veste de preto e que defende o povo da califórnia contra os governos tirânicos e outros vilões -, uma representação do bem pela cultura marginal que faz questão de humilhar o mal, foda-se! porque a animosidade primitiva sem ser no amor e na cama é, obviamente, mal.
continua, maradona abençoado, a homenagear dionísio, o deus grego cópia do deus romano baco, dos ciclos vitais, das festas, do vinho, da insânia e da intoxicação que funde o bebedor com a deidade fanática do desporto e da competição.
faz o apelo desmesurado e laxante  ao sexo, vinho e muita sátira da roma antiga, uma celebração colectiva em praça pública que colocava a nu a hierarquia social em dias em que as entidades que mantinham a administração da cidade fechavam para haver o deleite das obscenidades primatas do futebol. faz isso, exalta a tua inteligência invertida e continua a sair da caverna.

pequena observação: tenta sucumbir às vertigens do kundera - já que é das outras que sofres -, aquelas que são vontade de cair seguida de arrependimento – porque de ogres primatas anda, sim, o futebol cheio.
bem visto há pessoas que são, tal e qual como acontece com os duendes, ouro de tolos. é o caso das estatísticas que os ministros deste goverrno nos fazem chegar.

censura e carnaval e riso

certa vez fui altamente censurada, não só mas talvez também, por ligar Shakespeare às redes sociais:

to be terr(a)ba. e not to beterraba, diz ela*

i) uma selfie, por aerógrafo com técnicas mistas e sem abusos
sou terra e margem de rio
ii) social media
in: sou terra fértil recomendada e margem de rio desde sempre
g+: sou mais terra e mais margem de rio
f: sou terra – ontem os bichinhos mexeram-me toda; e margem, molhada desde há
pouco, de rio… a sentir-se contente! (like, like,like!)
t: sou terra e margem de rio@ toda a hora
iii) engenharia da construção óbvia
sou terra
e margem de rio
iv) BASTA
ser terra
e margem de rio
brisa de ar fresca com cheiro leve
arrepio
doçura agreste
tingida
naturalmente tingida
até cozer demais tal e qual a cautela
o princípio da cautela é letal?
(o homem de Neandertal morreu de uma predisposição genética para resistir às
mudanças)
a propósito: e a tecnologia, enfurece-se?
ser terra e margem de rio
to be terr(a)ba. e estar.

*ela, a modernidade

agora junto-lhe, ao Shakespeare, como ele gosta, o carnaval:


quarta-feira, 5 de novembro de 2014

a urina e o destino. não, não se trata de uma ucraniana.

Formação para desempregados: aproveitar para aprender

Formação para desempregados: aproveitar para aprender

Empresas de contabilidade ajudam candidaturas ao QREN

Empresas de contabilidade ajudam candidaturas ao QREN

Suicídio na Religião Católica, Tabu em Canto de Sereia

Suicídio na Religião Católica, Tabu em Canto de Sereia

Indústria de Extracção Mineira em Moçambique, Uma Força

Indústria de Extracção Mineira em Moçambique, Uma Força

Ar Condicionado com Brisa de Eficiência e de Poupança

Ar Condicionado com Brisa de Eficiência e de Poupança

Privatizações em Portugal, Desemprego e Palmas da UE

Privatizações em Portugal, Desemprego e Palmas da UE

Fazer Ciência: Bolseiros de Investigação Também Comem!

Fazer Ciência: Bolseiros de Investigação Também Comem!

Fotografia e Música, a Paixão Assolapada de Bryan Adams

Fotografia e Música, a Paixão Assolapada de Bryan Adams

Casamentos Homossexuais: Avanços em Itália. PT, Recua?

Casamentos Homossexuais: Avanços em Itália. PT, Recua?

Desportos Motorizados: Furor no Circuito de Atalhada

Desportos Motorizados: Furor no Circuito de Atalhada

Produtores de Batata Arruinados Pelo (Des)Governo

Produtores de Batata Arruinados Pelo (Des)Governo

O Marketing de Conteúdo: Um dos Segredos do MKT Digital

O Marketing de Conteúdo: Um dos Segredos do MKT Digital

O Marketing de Conteúdo: Um dos Segredos do MKT Digital

O Marketing de Conteúdo: Um dos Segredos do MKT Digital

Indústria do Chocolate Ameaçada Caso Ébola Se Desloque

Indústria do Chocolate Ameaçada Caso Ébola Se Desloque

Acesso à Água dos Serviços Municipalizados Fanado? Ouch

Acesso à Água dos Serviços Municipalizados Fanado? Ouch

Olhar para o Lado, Grande Causa dos Acidentes de Viação

Olhar para o Lado, Grande Causa dos Acidentes de Viação

Consumo de Fruta Exaltado por Programa Motivacional

Consumo de Fruta Exaltado por Programa Motivacional

Tarifas de Electricidade em Grande: Pavio Curto em 2015

Tarifas de Electricidade em Grande: Pavio Curto em 2015

terça-feira, 4 de novembro de 2014

solução eficaz para as insónias


palavra de honra, da minha honra, que não consigo entender quem diz que depois do desporto não tem fome. é que os preliminares ainda estão a começar, tanto esforço ainda por vir na aula, e eu já só pensou no farnel que deixei preparado e pronto a cozinhar: sopinha de nabiças frescas e quase cruas, arroz sequinho, bifinhos de frango do campo suculentos, legumes salteados a saber a alho e azeite e sumo de melão natural. e depois, ah! e depois!, o meu saboroso slim de mentol que me consola. e com um jeitinho dá futebol e nós, eu e ela, podemos comer sozinhas como era antes: esticada ou sentada no chão ou no sofá, como apetecer, lamber os dedos e ficar com os ouvidinhos livres de lamentos e castrações. que consolo!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

finalmente que esta senhora vai ser homenageada. confesso que a conheço desde criança e ainda me lembro do cheiro do queijo misturado com presunto, tão bom, da loja dela. ia lá muito com o meu pai e os meus irmãos porque a sua irmã foi, há muitos anos, namorada do meu pai. e, de facto, quanto mais não seja, os filmes que ela faz são de chorar a rir. é tudo tão vernacular que se faz, ou desfaz, em delícia.

trata-se, não tenho dúvidas, de um equívoco à escala planetária: as pessoas fortes são, não de plástico, feitas de cristal. equívoco desfeito.



não podia estar mais feliz, quer dizer, não será bem assim, podemos sempre estar mais, bem mais, porque acabei de descobrir porquê que ando sempre em órbita parabólica.
estávamos no meio do monte e começamos a ouvir um assobio melodioso e perfeito. olhei para baixo, para ela, e fiquei na dúvida se se tratava de um rouxinol ou de um cd. era um velho simpático e cheiinho de boa disposição matinal a assobiar assim:

domingo, 2 de novembro de 2014



olha alguém que me entende. viva!

coisa linda de se ver é a moderação de comentários em alguns blogues grandes e vaidosos: quando percebem que não estão perante ignorância, prendem-nos. é que só tem necessidade de fazer dos outros fracos quem fraquinho é.
um soldado americano
está pendurado no da avó
que quer palavra portuguesa
em riso e molho à bolonhesa

a nudez é sempre uma democratização

sábado, 1 de novembro de 2014

o que eu gosto de m'abanar ao ouvir isto



Fernanda Câncio devo considerar um dominador maléfico o homem que me diz, sempre que me vê a passear a cadela, que se arrepia com o brilho dos meus olhos?

e o outro, o que me disse que devo ter uma cona boa e que era um desperdício o gajo que ia ao meu lado andar a comê-la, devo responder-lhe para ma vir comer ele - equilíbrio do universo - e deixar o gajo que ia ao meu lado, o meu pai, ser ainda mais agredido verbal e fisicamente do que o que foi depois de reagir?

e a outra, a lésbica dominadora, essa aspirante a homem frustrada, que diz que sonha em meter-me as mãos nas mamas, mando-a ir mamar em uma pila?

a viralidade com que alguns textos circulam mete-me nojo. porque as pessoas não partilham porque leem e gostam: as pessoas partilham porque quem escreve tem já a casa feita - mesmo que seja feita, amiúde, de merda. e isto, que se chama sectarismo, aplica-se a quase tudo. haja isenção e verdade na opinião. estou-me cagando para quem diz ou faz o quê só por se a, b ou c.

porque ninguém, ninguém mesmo, no meu reino, tem - sem que me cative - uma poltrona cativa.